Mostrando todos os 2 resultados

Show sidebar

Onde aterrar? Como se orientar politicamente no Antropoceno

Bruno Latour 

Diante do cenário atual, em que enfrentamos os trágicos efeitos de uma crise sanitária global, a proposta do antropólogo e filósofo Bruno Latour de partir da perspectiva ecológica para compreender as transformações de nossa época parece incontornável. Neste que é o seu mais recente livro, traduzido em mais de dezoito línguas, Latour apresenta uma contundente análise do contexto geopolítico contemporâneo partindo da conexão entre fenômenos raramente relacionados: o afrouxamento das regulamentações governamentais, a explosão das desigualdades sociais, o colapso ecológico, o negacionismo climático e a ascensão do populismo.

Frente a esse quadro, em que eventos como a eleição de Donald Trump e o Brexit se apresentam como evidentes sintomas, Latour acredita que não é possível compreender as posições políticas dos últimos cinquenta anos sem colocar no centro das análises a questão do clima e a sua degeneração. Para ele, já faz tempo que as classes dirigentes (as elites) chegaram a conclusão que não há mais lugar na terra para elas e para o resto dos seus habitantes e por isso não fazem mais esforços para fingir que a que a história continuaria nos conduzindo a um horizonte comum, em que “todos os homens” poderiam prosperar igualmente.

Este ambiente da ausência de um mundo comum explica, portanto, a explosão das desigualdades, o aumento da desregulamentação por parte dos governos e, sobretudo, o desejo desesperado de regressar às velhas proteções do Estado nacional (o que reconhecemos como populismo).

Para combater essa perda de orientação é preciso aterrar em algum lugar, tomar uma posição a partir de um ponto. “Daí a importância de saber como se orientar, e para isso traçar uma espécie de mapa das posições ditadas por essa nova paisagem na qual são redefinidos não apenas os afetos da vida pública, mas também as suas bases”, aponta Latour.

Como um dos mais atuantes pensadores da atualidade, Bruno Latour propõe neste livro um pensamento vivo, motor de reflexões, ações e mudanças.

A edição conta ainda com um artigo de Latour escrito em meio à pandemia, traduzido por Déborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro, e um posfácio da filósofa Alyne Costa, que apresenta a trajetória intelectual e as principais contribuições de Bruno Latour para o debate contemporâneo.

R$58,00 Comprar

Sobre o vegetarianismo

Mahatma Gandhi

Como parte de uma família hindu vaishnava, para Mohandas Gandhi não comer carne nem ovos era uma questão, de início, apenas religiosa. No entanto, ao se aproximar dos conceitos de não-violência, o vegetarianismo passou a ser uma missão, integrando os princípios fundamentais que norteariam toda a sua vida. Esse dever com os animais constituiu a essência de seu engajamento pelo vegetarianismo. “Eu não gostaria de tirar a vida de um carneiro para satisfazer algum corpo humano. Acredito que quanto menos uma criatura pode se defender mais ela tem direito à proteção do homem contra a crueldade do homem.”

O livro Sobre o vegetarianismo reúne os principais textos de Gandhi sobre o assunto, revelando suas ideias e experiências pessoais sobre o tema da alimentação, desde o fim do século XIX, quando se mudou para Inglaterra para estudar direito, descobriu o livro Em defesa do vegetarianismo, de Henry Salt, e se filiou à Sociedade Vegetariana de Londres, tornando-se seu membro ativo.

Florence Bugart, filósofa francesa com diversas obras publicadas sobre a questão animal e responsável pela seleção dos textos, apresenta a trajetória de Gandhi e suas ações em defesa e pela prática do vegetarianismo, incluindo suas atividades na África do Sul, onde morou por longo tempo e começou a colocar em prática os princípios de não-violência e resistência passiva.

Presidente da União Vegetariana Internacional, Marly Winckler ilumina a relação de Gandhi com as práticas vegetarianas, explicando pontos por vezes polêmicos, como o consumo de leite de cabra, apostando que hoje, diante de um sistema brutal de exploração animal em fazendas industriais, Gandhi se manteria vegetariano estrito, um vegano.

R$39,90 Comprar